Lanche oferecido pela escola

23/05/2011 § 2 Comentários

Prezados pais,

Gostaríamos de lhes dar um retorno sobre a reunião (ocorrida no dia 13/05/2011) entre pais e a escola a propósito do lanche oferecido às crianças.

A escola estava representada pela coordenadora do EFII (Eloísa), a orientadora do 5º ano (Sônia) e a nutricionista responsável pelo projeto de educação alimentar (Márcia). A OPS foi representada pela Denise (mãe do 2º e 4º anos). Compareceram cinco outros pais de alunos de anos variados (dentre eles, 2º, 3º, 4º e 5º anos).

A escola apresentou todo o processo que levou ao desenvolvimento do projeto de educação alimentar tal qual ele é aplicado hoje. Começou colocando como alimentação e exercícios físicos são essenciais para a saúde da criança. As escolas já incorporaram os exercícios em sua prática há muito tempo (educação física), agora trata-se de iniciar o trabalho alimentar. Em seguida mostrou como foi feita a implantação do projeto, desde a pesquisa inicial em 2007 sobre o que as crianças levavam de casa como lanche (que indicou claramente a necessidade de diminuir teores de açúcar, gorduras, sódio, e aumentar cálcio e fibras, por exemplo), passando pela criação dos cardápios, até como foi a implantação do lanche coletivo no EFII e como está sendo o acompanhamento da aceitação da comida e da nova rotina do lanche pelas crianças.

A escola salienta que o projeto de educação alimentar é um projeto contínuo, ou seja, está sempre sendo avaliado e ajustado de acordo com observações de classe, novas necessidades, etc., e tem o acompanhamento de perto da nutricionista, das professoras e da equipe de cozinha. O foco é fornecer um lanche que seja saudável, balanceado, com a quantidade de calorias necessárias e que, preferencialmente, agrade a um paladar mais amplo, ao mesmo tempo que procura introduzir novos alimentos.

Os pais fizeram perguntas quanto ao papel da instituição sobre a alimentação das crianças (que talvez esse não seja o papel da escola e sim da família), o custo do lanche por criança, se é possível incorporar o valor do lanche à mensalidade, se é possível ele ser opcional, o quanto as crianças de fato comem ou deixam de comer (por que algumas crianças não comem nada?), se é possível oferecer mais calorias e mais variedade, aumentar a oferta de alimentos com carboidratos, se é possível conectar, com mais ênfase para as crianças, o projeto nutricional com aspectos pedagógicos e lúdicos e se o horário de recreio acaba atrapalhando. Houve também colocações de pais sobre como o número de crianças atendidas é grande (e não é possível agradar a todos sempre), como as crianças devem ser educadas para a vida e o mundo (e o momento do lanche é positivo para isso); e sobre como a responsabilidade de comer é da criança e não do adulto (ao adulto cabe oferecer comida boa e na hora certa).

A escola respondeu que o projeto de educação alimentar está definitivamente incluído no programa educacional do Vera Cruz e que está sempre trabalhando para melhorá-lo. Vários exemplos de ajustes já feitos foram apresentados. Pretende rever as quantidades de calorias e aumentá-las se necessário assim como a variedade do cardápio. Pede para os pais confiarem na escola, na maneira como observa a alimentação de seus filhos, e também na capacidade das crianças se comunicarem com a escola.

Quem quiser mais informações sobre os lados práticos do lanche (horário, tempo, cardápio, produtos utilizados, origem dos produtos, etc.), basta entrar em contato com a escola que poderá responder a todas essas perguntas ou agendar outra reunião. Além disso o cardápio mensal de cada unidade fica disponível na secretaria virtual do site do Vera Cruz.

A OPS julga que a escola respondeu aos questionamentos e que a questão, tal como foi apresentada à organização e discutida em reunião, está encerrada. Gostaríamos de agradecer à escola pela abertura para discutir o assunto e aos pais que compareceram à reunião com perguntas e sugestões importantes para o aprimoramento do projeto, e sentíamo-nos satisfeitos por ter cumprido nosso papel na mediação deste diálogo. Essas e outras questões relacionadas à educação e à vida em família continuam a ser discutidas nas reuniões mensais da OPS, para as quais todos os pais estão sempre convidados.

Um abraço,

Comissão organizadora OPS Vera Cruz

Anúncios

Vamos falar sobre consumo?

10/05/2011 § 2 Comentários

A OPS Vera Cruz convida para uma conversa sobre consumo com três profissionais: Laís Fontenelle Pereira (Instituto Alana), José Armando Simões Macedo (pediatra e médico de família), Marcelo Furtado (Greenpeace).

A iniciativa tem por objetivo proporcionar a troca de ideias e a reflexão sobre questões atuais que envolvem o prazer de consumir, as influências e as consequências do consumo na família, a sustentabilidade, entre outros.

O evento é aberto à participação de todos os pais e educadores da Escola Vera Cruz. Não é necessário inscrever-se.

Dia: 19 de maio, quinta-feira
Hora: das 20h30 às 22h30
Local: Sala de Reuniões do Verão (Praça Profª Emília Barbosa Lima, 51).

PROFISSIONAIS CONVIDADOS 

Palestrante: Laís Fontenelle Pereira é coordenadora de Educação e Pesquisa do Projeto Criança e Consumo do Instituto Alana. Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-RJ, atuou na área de Educação Infantil durante nove anos no Rio de Janeiro e em São Paulo e realizou atendimento terapêutico  em crianças com problemas de aprendizagem, além de  assinar a coluna “Consumindo Ideias” da Folinha da Folha de São Paulo em 2009.

Palestrante: Dr. José Armando Simões Macedo é formado em medicina pela UNIFESP. Tem especialização em Pediatria, Homeopatia e aprimoramento em Infectologia Pediátrica e Cardiologia Pediátrica. Atua em consultório particular há 23 anos, interessando-se pela condição humana e pela forma com que o corpo interpreta o momento histórico do paciente. É membro do Espaço Potencial Winnicott, grupo de estudos ligado ao Departamento de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae há 9 anos. Músico amador diletante, saxofonista há 33 anos.

Mediador: Marcelo Furtado é Engenheiro Químico com especialização em Administração de Empresas e mestrado em Engenharia Elétrica pela Poli-USP. Trabalha para o Greenpeace há 20 anos, tendo coordenado a campanha internacional contra o comércio de lixo tóxico e projetos na área de poluição industrial. Coordenou também campanhas nas áreas de clima, energia, florestas, oceanos e organismos geneticamente modificados. Atualmente é o diretor executivo da organização no Brasil.

Esperamos vocês lá!

Ata da reunião de 27 de abril de 2011

05/05/2011 § Deixe um comentário

TEMA 1 – Evento “Vamos falar sobre consumo?”
Os três participantes – Laís (Alana), José Armando (médico pediatra e de família) e Marcelo (Greenpeace) –estão confirmados, assim como a reserva do auditório.

TEMA 2 – Prendas da Festa Junina
Foi relatado o contato que a OPS fez com a escola questionando a quantidade excessiva e a qualidade ruim das prendas das festas juninas do Verão e Veríssimo. Foram enviadas sugestões para reduzir o consumo de brinquedos pirateados, o impacto ambiental da festa e deixá-la com um caráter mais cultural. Aguardamos retorno da direção.

Quem quiser obter mais detalhes sobre o assunto e saber quais foram os argumentos e as sugestões deve entrar em contato com a OPS.

TEMA 3 – Bullying
Recebemos por e-mail o pedido de uma mãe para colocar o temaem pauta. Foirelatado por diversos participantes que a escola começa a lidar, ainda de forma pontual, com o problema, que antes era negado. De acordo com os depoimentos, a situação é epidêmica. As agressões ocorrem sobretudo no recreio e nas redes sociais, momentos em que as crianças mais frequentemente estão sem a tutela de educadores e da família. Não há relatos de agressões físicas, apenas verbais ou manipulação de imagens do Facebook.

Argumentou-se que o problema é mais da família do que da escola, mas fica impossível lidar com ele sem envolver a escola. Seria importante haver uma ação conjunta, mas ainda não foram definidas propostas a serem levadas para a escola. A iniciativa seria preventiva e focaria inclusive orientações sobre o uso das redes sociais. Possivelmente haverá um evento no segundo semestre sobre “mundo digital e educação” em que o bullying será um dos principais temas. O assunto será retomado na próxima reunião.

TEMA 4 – Lanche
Estão acontecendo várias manifestações de insatisfação com o lanche oferecido pela escola. Diversos pais reclamam por e-mail e nas reuniões de classe. Um grupo de alunos insatisfeitos do 5º ano chegou a fazer abaixo-assinado. Também existem muitos pais que apóiam o lanche coletivo oferecido pela escola, pela oportunidade social e nutricional que ele representa. Essa é a posição da OPS, que avalia a situação anterior como pior, pois os alimentos industrializados nem um pouco saudáveis predominavam e circulavam entre todas as crianças. Ainda assim, acreditamos que pode haver melhorias.

Há grande diversidade de opiniões entre as famílias, não sendo possível satisfazer completamente grupos com valores conflitantes.  Esse é um ponto a ser consensado para que a discussão evolua.  Achamos necessário que seja aberto um canal de comunicação com a escola e a questão seja debatida coletivamente. O formato adotado anos atrás, quando o sistema do lanche chegou ao Verão, seria satisfatório. Na ocasião, a escola promoveu um encontro com a nutricionista responsável pelo lanche e expôs a propostaem vigor. Nessesegundo momento, achamos necessário haver espaço para os pais expressarem seus pontos de vista.

OBSERVAÇÕES

  • Em comum, todos os assuntos abordados na reunião tocam a questão do desejo de maior contato das famílias com a escola e de comunicação aberta com a escola. Muitos pais que procuram a OPS estão satisfeitos por terem escolhido o Vera Cruz e admiram seu projeto pedagógico, mas gostaria de uma comunicação mais aberta e de mão dupla com a escola.
  • Não houve tempo para apresentar o novo blog www.opsveracruz.wordpress.br e o grupo da Troca Solidária Virtual, que já estáem funcionamento. Mas basta acessar o site para inteirar-se. Sugerimos que cada pessoa divulgue essa iniciativa da OPS para seus contatos.

Próximos encontros:

  • 19/5, 20h30 – Debate “Vamos falar sobre consumo?” no auditório do Verão.
  • Recomendamos a inscrição no encontro com José Pacheco, da Escola da Ponte, que acontecerá em 27/5 no Veríssimo.
  • 20/6, 20h – Reunião de junho, na sala 103 do Verão.


Reciclagem de óleo de cozinha

04/05/2011 § Deixe um comentário

Uma mãe da escola faz um trabalho bem legal de reciclagem de óleo de cozinha, que ela transforma em sabão.

Agora ela está abrindo o projeto ÓLEO-SABÃO para a comunidade: você dá a ela seu óleo de cozinha usado e ela lhe devolve uma barra de sabão artesanal.

Como coletar seu óleo
Após utilizar seu óleo na cozinha, deixe-o esfriar. Em seguida, coe e coloque em um recipiente limpo (pode ser uma garrafa PET usada). Pronto! Ao completar o recipiente entregue-o a um reciclador. Informações e coleta: (11) 8412.7777, com Sílvia.

Projeto ÓLEO-SABÃO

Você sabia que um litro de óleo polui cem litros de água no mínimo?

Você sabia que o óleo jogado em lixos e posteriormente em lixões, acaba ocasionando a queda desse óleo no solo, fazendo a sua impermeabilização e com isso geram-se enchentes, mau cheiro, atração de animais e insetos, liberação de gás metano que ataca o efeito estufa e atinge o lençol freático, que no caso desemboca sempre em um rio ou mar.

O óleo jogado na água polui a água e a fauna, porque fica flutuando na superfície e não permite a oxigenação, nem que entre luz. Ao ficar ali, a luz tapada afeta a biodiversidade nos ecossistemas de rios e lagoas.

Não jogue seu óleo de cozinha em vaso sanitário, nem no lixo!

Doe-o para postos de reciclagem ou recicle-o em sabão para lavar roupas e louças. A natureza agradece!

Participe do projeto ÓLEO-SABÃO, a cada litro de óleo de cozinha usado, troque-o por  uma barra de sabão reciclado artesanalmente!

Sílvia, mãe do Enzo (3o ano, 2011)

Onde estou?

Você está atualmente visualizando os arquivos para maio, 2011 em OPS Vera Cruz.